acheter du cialis en ligne
user_mobilelogo

Selos de Qualidade

Escola Saudável original 3nivel

Serviços Online

   email  Email

  moodle Moodle

   eschooling logo2  Sumários

   eschooling logo2  Alunos & E.E.

Refeitório - Ementas

    icon cardapio  EB1 e JI 

    icon cardapio  EB23PBP

    icon cardapio  ESJBV

 

Sugestões do Mês

   6-Book-Club-icon Leitura

   movie-camera-icon small Cinema

   music-note-SH-icon Música

Documentos Orientadores

    pdf 24  Carta de Missão 

 

    pdf 24  Projeto Educativo

 

    pdf 24  Plano de Atividades

 

    pdf 24  Regulamento Interno

 

    pdf 24  Plano de Formação

 

    pdf 24  PNPSE do Agrupamento

 

     pdf 24  Promoção da Disciplina

Projetos do Agrupamento

 Academia de Autores logo

 

PES logo

 

infopoint aejbv logo

 

comenius logo

 

MUSEUMS IN EDUCATION logo

 

Consious Consumers of Future logo 

 

logo

Projetos Nacionais

PNL logo

 

FIPCE 18 19 png

 escola amiga da crianca logo

 

 programacao robotica

 

scratch logo

 

webinr DGE

 

EuroRun logo

 

seguranet

Siga-nos

facebook logo    twitter logo    youtube logo     

Quem está em linha

Temos 11 visitantes e sem membros em linha

Proteção de Dados

Encarregado de Proteção de Dados
Jorge Manuel Carrasquinho Vieira
rgpd.dsral@dgeste.mec.pt
Telefone: 289 893 900
Morada: EN125, Sítio das Figuras,
8000-761 Faro

DemianAutor: Hermann Hesse

Editora: Dom Quixote

Género: Romance

Ano: 2019

Páginas: 192

Sobre o livro:

1919-2019 Centenário da primeira das grandes obras de Hermann Hesse

Publicado em 1919, com o pseudónimo Emil Sinclair, Demian conta-nos a história de uma difícil caminhada para a maturidade, que culmina nos dias sombrios da Primeira Guerra Mundial. Os seus protagonistas - o enigmático Max Demian e o narrador, o jovem Emil Sinclair - erguem, ao longo das páginas deste romance, um inesquecível grito de revolta contra os processos de uniformização então predominantes e contra a barbárie massificada que viria a constituir a marca mais característica do século XX.

Demian é um brilhante retrato psicológico de alguém que rompe com as convenções sociais em busca da realização espiritual e do autoconhecimento. Influenciado pelas ideias de Carl Jung, fundador da psicologia analítica, mas também pela sabedoria oriental, Hesse interroga-se acerca da natureza humana, com as suas contradições e dualidades, e aborda muitos dos seus temas característicos, alguns dos quais haveria de retomar em Siddhartha.

Romance cuja influência Thomas Mann comparou à de Werther de Goethe, Demian continua a marcar gerações de leitores, pois, como todas as obras-primas, a mensagem que contém é de perene interesse.

O mais admirável êxito de Hesse e um dos mais importantes livros do século XX.

Hermann HesseSobre o autor:

Romancista e poeta alemão, Hermann Hesse nasceu em 1877 na pequena cidade de Calw, na orla da Floresta Negra e no estado de Wüttenberg. Como os pais depositavam esperanças no facto de Hermann Hesse poder vir a seguir a tradição familiar em teologia, enviaram-no para o seminário protestante de Maulbronn, em 1891, mas acabou por ser expulso. Passando a uma escola secular, o jovem Hermann tornou a revelar inadaptação, pelo que abandonou os seus estudos.

 Hermann Hesse começou depois a trabalhar, primeiro como aprendiz de relojoeiro, como empregado de balcão numa livraria, como mecânico, e depois como livreiro em Tübingen, onde se teria juntado a uma tertúlia literária, "Le Petit Cénacle", que teria, não só grandemente fomentado a voracidade de leitura em Hesse, como também determinado a sua vocação para a escrita. Assim, em 1899, Hermann Hesse publicou os seus primeiros trabalhos, Romantischer Lieder e Eine Stunde Hinter Mitternacht , volumes de poesia de juventude.

 Depois da aparição de "Peter Camenzind", em 1904, Hesse tornou-se escritor a tempo inteiro. Na obra, refletindo o ideal de Jean-Jacques Rousseau do regresso à Natureza, o protagonista resolve abandonar a grande cidade para viver como São Francisco de Assis. O livro obteve grande aceitação por parte do público.

 Em 1911, e durante quatro meses, Hermann Hesse visitou a Índia, que o teria desiludido mas, em contrapartida, constituído uma motivação no estudo das religiões orientais. No ano seguinte, o escritor e a sua família assentaram arraiais na Suíça. Nesse período, não só a sua esposa começou a dar sinais de instabilidade mental, como um dos seus filhos adoeceu gravemente. No romance "Rosshalde" (1914), o autor explora a questão do casamento ser ou não conveniente para os artistas, fazendo, no fundo, uma introspeção dos seus problemas pessoais.

 Durante a Primeira Guerra Mundial, Hesse demonstrou ser desfavorável ao militarismo e ao nacionalismo que se faziam sentir na altura e, da sua residência na Suíça, procurou defender os interesses e a melhoria das condições dos prisioneiros de guerra, o que lhe valeu ser considerado pelos seus compatriotas como traidor.

 Finda a guerra, Hesse publicou o seu primeiro grande romance de sucesso, "Demian" (1919). A obra, de caráter faustiano, refletia o crescente interesse do escritor pela psicanálise de Carl Jung, e foi louvada por Thomas Mann. Assinada nas primeiras edições com o nome do seu narrador, Emil Sinclair, Hesse acabaria por confessar a sua autoria.

Deixando a sua família em 1919, Hermann Hesse mudou-se para o Sul da Suíça, para Montagnola, onde se dedicou à escrita de "Siddharta" (1922), romance largamente influenciado pelas culturas hindu e chinesa e que, recriando a fase inicial da vida de Buda, nos conta a vida de um filho de um Bramane que se revolta contra os ensinamentos e tradições do seu pai, até poder eventualmente encontrar a iluminação espiritual. A obra, traduzida para a língua inglesa nos anos 50, marcou definitivamente a geração Beat norte-americana.

 1919 foi também o ano em que Hesse travou conhecimento com Ruth Wenger, filha da escritora suíça Lisa Wenger e bastante mais nova que o autor. O escritor renunciou à cidadania alemã, em 1923, optando pela suíça. Divorciando-se da sua primeira esposa, Maria Bernoulli, casou com Ruth Wenger em 1924, tendo o casamento durado apenas alguns meses. Dessa experiência teria resultado uma das suas obras mais importantes, "Der Steppenwolf" (1927). No romance, o protagonista Harry Haller confronta a sua crise de meia-idade com a escolha entre a vida da ação ou da contemplação, numa dualidade que acaba por caracterizar toda a estrutura da obra.

 Em 1931 voltou a casar, desta feita com Ninon Doldin, de origem judaica. Com apenas quatorze anos, havia enviado, em 1909, uma carta a Hermann Hesse, e desde então a correspondência entre ambos não mais cessou. Conhecendo-se acidentalmente em 1926, foram viver juntos para a Casa Bodmer, estando Ninon separada do pintor B. F. Doldin, e a existência de Hesse ter-se-à tornado mais serena.

 Durante o regime Nacional-Socialista, os livros de Hermann Hesse continuaram a ser publicados, tendo sido protegidos por uma circular secreta de Joseph Goebbels em 1937. Quando escreveu para o jornal pró-regime Frankfürter Zeitung, os refugiados judeus em França acusaram-no de apoiar os Nazis. Embora Hesse nunca se tivesse abertamente oposto ao regime Nacional-Socialista, procurou auxiliar os refugiados políticos.

Em 1943 foi finalmente publicada a obra "Das Glasperlernspiel", na qual Hesse tinha começado a trabalhar em 1931. Tendo enviado o manuscrito, em 1942, para Berlim, foi-lhe recusada a edição e o autor foi colocado na Lista Negra Nacional-Socialista. Não obstante, a obra valer-lhe-ia o prémio Nobel em 1946.

 Após a atribuição do famoso galardão, Hesse não publicou mais nenhuma obra de calibre. Entre 1945 e 1962 escreveria cerca de meia centena de poemas e trinta e dois artigos para os jornais suíços.

 A nove de agosto de 1962, Hermann Hesse veio a falecer, aos oitenta e cinco anos, durante o sono, vítima de uma hemorragia cerebral.

FONTE: wook